Defensoria Pública de Minas Gerais

Igualdade e cidadania para todos


Conselho Superior empossa três novos defensores públicos


Por Ascom em 14 de janeiro de 2014

Em ato solene, o subdefensor público geral, Wagner Geraldo Ramalho Lima – em cumprimento da decisão judicial proferida pelo Supremo Tribunal Federal – empossou os defensores públicos Eden Mattar, Adriano Lúcio dos Santos e Vicenza Calcara Magalhães, oriundos do terceiro concurso de ingresso na carreira, realizado em 1997. A posse aconteceu durante a 1ª sessão ordinária do Conselho Superior da Defensoria Pública, na sexta-feira (10).

Após a leitura do juramento, feita pelo defensor Adriano Lúcio dos Santos, o subdefensor público geral, Wagner Geraldo Ramalho Lima, leu o termo de posse que foi assinado pelos empossados e pelos membros do Conselho Superior da Defensoria Pública.

a_DSC_3677
Os defensores públicos prestaram juramento perante o CSDPMG e, também,
diante dos defensores públicos, familiares e demais autoridades presentes

a_DSC_3682
Assinatura do livro de posse: defensora pública Eden Mattar

a_DSC_3686
Assinatura do livro de posse: defensor público Adriano Lúcio dos Santos

a_DSC_3690
Assinatura do livro de posse: defensora pública Vicenza Calcara Magalhães

A defensora empossada, Eden Mattar, foi a oradora oficial da turma. Inicialmente fez uma retrospectiva do período necessário para que se concretizasse, de forma definitiva, o ideal de retornar aos quadros da Defensoria Pública, restabelecendo-se as posses já anteriormente deferidas judicialmente em 2002. Eden Mattar ressaltou a perseverança como fator motivacional e responsável pela vitória obtida. “Toda a nossa batalha foi pautada na busca pela concretização de um ideal, integrar a Defensoria Pública e trabalhar em prol da população hipossuficiente de nosso Estado”, afirmou.

Abordou, também, o sonho e o ideal de se exercer o cargo de defensor, como elemento de defesa de uma classe de necessitados, em busca da igualdade de tratamento inscrita na Constituição Federal. “A necessidade de se dar atenção e de se ouvir o inaudível, ou seja, de se ouvir as súplicas e os sonhos mais íntimos dos assistidos, tornou-se o objetivo do exercício da função que ora se inicia com a posse na Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais”, completou.

Logo após o discurso oficial, foi dada a palavra aos membros do Conselho Superior. Os conselheiros deram boas-vindas aos novos colegas e foram unânimes em ressaltar a persistência de cada um em aguardar 15 anos para ingressarem na Instituição. “Pelo tempo de espera estou certo de que vocês estão ansiosos para contribuir com a construção da Defensoria Pública”, afirmou Wener Trindade.

A defensora pública Jeanne Pereira Barbosa, que também ingressou na Instituição no concurso realizado em 1997, disse aos colegas que lhe foram necessários 15 anos dentro da Instituição para provar que era uma defensora pública, “enquanto vocês, durante todo este tempo, provaram que são ótimos defensores de si próprios; e só podem ser bons defensores dos outros aqueles que sabem defender a si mesmos”, completou.

Em sua mensagem, o conselheiro Vinícius Lopes Martins desejou sucesso aos novos defensores públicos e manifestou a sua alegria pela perseverança destes em abraçar a carreira. Sentimento semelhante foi demonstrado pelo conselheiro Fernando Campelo Martelleto. “Todos que ingressam e permanecem na Defensoria Pública são tomados por um sentimento de satisfação pessoal muito grande em poder fazer o bem, contribuindo para a promoção do ser humano”, completou.

A conselheira Giselle Muniz Mendes Alves se declarou honrada em poder participar deste momento de posse. Já o presidente da Adep-MG, Eduardo Cavalieri Pinheiro, desejou boa-sorte a todos. “Tenho certeza que vocês estão aptos a assumirem suas funções e contribuírem para o crescimento da Defensoria Pública”.

Antes de encerrar a sessão solene, o subdefensor público, Wagner Geraldo Ramalho Lima, desejou boa-sorte aos novos membros e declarou a alegria em ter novos defensores públicos na Casa. “A expectativa com a vinda de vocês é grande, pois temos muito trabalho e desafios para a construção de uma Defensoria Pública cada vez melhor”, disse.

Em uma breve reflexão sobre o trabalho da Instituição, Wagner Ramalho Lima explicou que hoje o foco da Defensoria Pública não é mais o processo jurídico e sim, o assistido. “Portanto, é preciso que o defensor olhe com outros olhos para o seu assistido, pois ele não é mais um número, mas uma pessoa com bagagem de vida”, concluiu.

a_DSC_3701
Membros do CSDPMG e os defensores públicos empossados

Fonte: Ascom/DPMG (14/01/2014) 


Transparência

O que é?

O objetivo dessa sessão é permitir o acesso transparente, rápido e fácil aos documentos e informações relacionadas à Execução Orçamentária e Financeira, Licitações, Contratos e Convênios.

saiba mais >