Defensoria Pública de Minas Gerais

Igualdade e cidadania para todos


Defensoria Pública realiza 1ª reunião de monitoramento de metas


Por Ascom em 5 de fevereiro de 2014

Com o nome “Os desafios do planejamento”, a Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais realizou, na sexta-feira (31/01), a primeira reunião de monitoramento de metas do Plano Geral de Atuação (PGA) 2013 -2014.

Participaram da reunião os defensores públicos coordenadores regionais e das Defensorias Especializadas, os assessores do Gabinete, superintendentes e diretores da DPMG, além de servidores públicos.

Ao abrir os trabalhos, a defensora pública geral do Estado de Minas Gerais, Andréa Abritta Garzon, explicou que durante a reunião, em uma programação até então inédita na Instituição, seria realizado um balanço efetivo das metas que foram propostas pela atual administração.

Ao agradecer todos os defensores públicos e servidores envolvidos no trabalho na pessoa do subdefensor público geral, Wagner Geraldo Ramalho Lima, a defensora geral ressaltou seu desempenho e competência na realização do que nomeou como trabalhos de “fôlego”. Andréa Abritta destacou ainda a importância do PGA e seu monitoramento, trabalho que se reverte a “favor da Defensoria Pública, dos defensores públicos e, consequentemente, a favor dos assistidos, que são o propósito da nossa Instituição”.

a_DSC3942

DPG Andréa Abritta, professor da FJP, Marconi Martins de Laia, e o subdefensor geral, Wagner Lima

O subdefensor público geral, Wagner Geraldo Ramalho Lima estendeu os elogios recebidos a toda a “equipe dos assessores da Administração Superior, das áreas meio e de tantas pessoas que integram esta Defensoria Pública, principalmente os colegas do interior”, afirmou.

Ao falar sobre a importância do planejamento para uma instituição, Wagner Lima falou sobre a necessidade de a Defensoria Pública dispor de um instrumento de planejamento e explicou que o PGA tem a natureza mais operacional, como foco em curto e médio prazos. O subdefensor informou que a elaboração do planejamento estratégico da Instituição foi elencada como objetivo nos últimos dois PGAs e que a DPMG já iniciou a cotação do mesmo junto à Fundação João Pinheiro (FJP).

O subdefensor explicou que a elaboração do planejamento estratégico é uma oportunidade de reflexão e de diagnóstico da situação atual da instituição. “É o momento de se traçar um norte para toda a Defensoria Pública. Do planejamento estratégico decorre o PGA, com o detalhamento das estratégias que foram elencadas por toda a Instituição”, esclareceu.

Wagner Lima falou sobre a importância da participação de todos os defensores públicos para a apresentação de propostas, fase do trabalho que irá movimentar toda a Instituição. Ele destacou os benefícios da cultura de planejamento, que proporciona mais eficiência e eficácia para as áreas meio e finalística.

_DSC3928final

Defensores, servidores e diretores participaram da reunião

A coordenadora de Projetos e Convênios, Hellen Caires Teixeira, ressaltou a relevância de se planejar e aferir o que está sendo feito, como forma de se buscar o resultado.  Hellen Caires citou exemplos de ações bem sucedidas como a realização do Mutirão Direito a Ter Pai, que avançou sua realização de quatro para 26 comarcas.

A coordenadora informou que sugestões para o próximo PGA já podem ser apresentadas e fez a apresentação do programa de cumprimento das metas, passando pelos objetivos específicos.

Em breve serão disponibilizadas no Sistema Casa a relação das metas já cumpridas até o mês de janeiro deste ano.

A reunião contou ainda com a participação do doutor em Ciência da Informação pela UFMG, na área de Governo Eletrônico e também pesquisador e professor da FJP, Marconi Martins de Laia, que proferiu a palestra “Planejamento estratégico nas instituições públicas”.



Transparência

O que é?

O objetivo dessa sessão é permitir o acesso transparente, rápido e fácil aos documentos e informações relacionadas à Execução Orçamentária e Financeira, Licitações, Contratos e Convênios.

saiba mais >